Grandes varejistas como Casas Bahia e Pontofrio investem em soluções e em funcionários para realizar testes de pico no site. Entenda:

Novembro pode parecer longe para você, mas o e-commerce das principais empresas brasileiras já está se preparando para aguentar o pico de acessos da Black Friday. Os principais investimentos são em tecnologia para suportar os picos de acessos incomuns em outras épocas do ano.

A Via Varejo, que detém as marcas Casas Bahia, Pontofrio e Extra, por exemplo, preparou uma equipe 1,5 mil pessoas especializadas em tecnologia para “fortalecer” o site durante a Black Friday. Entre os funcionários estarão colaboradores da empresa, contratações pessoais e parceiros terceirizados.

A empresa também investiu em infraestrutura tecnológica, como servidores de alta densidade, armazenamento de dados de última geração, conectividade e multicloud para armazenamento de informações.

Motivação

Os investimentos não acontecem à toa. Em 2016, a empresa viu os indicadores de quantidade de pedidos e de volume de acessos ao e-commerce ultrapassarem o flux de um mês inteiro de vendas e visitas em apenas 48 horas.

O foco da companhia, no entanto, será nas primeiras horas da promoção, quando costuma ter um movimento maior de pedidos por existir ainda muitas opções de ofertas disponíveis.

Black Friday 2018

É possível que este seja o último ano que a Black Friday aconteça no mês de novembro no Brasil. Isso porque, os principais varejistas decidiram descolar a época do Natal, que perdia as vendas para as promoções do fim de novembro. A nova data, no entanto, ainda não foi definida.

No ano passado, em alta época de crise econômica, a Black Friday aumentou em 2% as vendas no varejo no Brasil. Os segmentos que mais faturaram com a data foi de supermercados, eletrodomésticos, lojas de departamentos e equipamentos para informática e comunicação.

Fonte: Novarejo.

 

Compartilhe:

Compartilhe:

Veja também: