A consolidação dos números apurados pela ABF – Associação Brasileira de Franchising mostra que o faturamento do setor em 2018 cresceu dentro da estimativa feita pela entidade, fechando o ano com alta nominal de 7,1% em relação ao ano anterior. A receita total do mercado de franquias saltou de R$ 163,319 bilhões para R$ 174,843 bilhões no período.

A inflação e os juros básicos da economia (taxa Selic) baixos, a melhora dos índices de confiança do consumidor e do empresariado, a retomada da expansão e os investimentos em inovação impulsionaram esse crescimento. A recuperação, ainda que lenta, da economia, especialmente no último trimestre, com os bons resultados para o varejo e o franchising na Black Friday e Natal, também alavancaram o desempenho do setor. Dados da ABF apontam que houve uma alta de 8,2% na receita das redes de franquias no 4º trimestre de 2018 frente ao mesmo intervalo do ano anterior. O faturamento passou de R$ 47,014 bilhões para R$ 50,868 bilhões.

Para André Friedheim, presidente da ABF, os números revelam a forte relevância dos princípios fundamentais que norteiam o trabalho do franchising, especialmente em períodos de retração econômica. “Vimos que 2018, marcado inclusive pela greve dos caminhoneiros e grande instabilidade política, foi um ano ainda desafiador para a economia brasileira e não foi diferente para o franchising. Para manter resultados positivos, as empresas franqueadoras fizeram valer ainda mais o trabalho em rede, que possibilita por exemplo ganhos em escala, buscaram inovar, investindo em novos formatos, produtos e serviços, trabalharam duro e puderam colher os frutos com o encerramento do ano”.

Expansão avança com novas unidades e redes

A pesquisa da ABF revelou que em 2018 o total de unidades do setor cresceu 5,2%, com um saldo de 7.570 novas operações, totalizando 153.704 unidades de franquias ativas no país. Esse ritmo foi mais do que o dobro da variação registrada entre 2016 e 2017. O desenvolvimento de novos formatos e modelos de negócios, a expansão para fora das grandes capitais e a maior disponibilidade de pontos comerciais a um custo mais competitivo foram os principais fatores que alavancaram essa expansão.

Outro dado relevante apurado no levantamento da ABF este ano registrou um aumento do número médio de unidades por rede. O crescimento foi de 3,9% no ano passado ante 2017, cuja média passou de 51,4 para 53,4 unidades por marca no período. De acordo com o presidente da ABF, “esses números indicam a consolidação e o amadurecimento do setor de franquias brasileiro, com redes mais fortes e com maior capilaridade”.

O estudo indica, ainda, que a taxa de mortalidade das operações caiu. Em 2017, o índice medido foi de 5% e em 2018, baixou para 3,9%. “Este é mais um sinal de resiliência e retomada do setor. Os ajustes que foram feitos nos últimos dois ou três anos têm se mostrado eficazes. Além disso, o repasse continua a ter um papel importante na preservação de unidades de franquia, assim como a participação crescente de franqueados multiunidade”, explica Vanessa Bretas.

Já em número de redes, o ano passado encerrou com um incremento de 1,1%, totalizando 2.877 marcas atuantes no mercado brasileiro de franquias. Destaque para novas marcas nacionais, grandes empresas aderindo ao sistema e a redes franqueadoras lançando novas marcas. Alguns exemplos são: Água Doce Express, Camelo, House of Samsonite, Nhô Sorvetes, OpenLaser e Snoopy Café.

Desempenho por segmentos

O balanço do desempenho do franchising brasileiro em 2018 indicou aumento na receita de todos os 11 segmentos identificados pela ABF. Demonstrando recuperação, Entretenimento e Lazer foi o segmento que mais cresceu, com variação de 12,7% comparado ao ano anterior. O bom resultado se deve especialmente à maior procura por jogos virtuais e novos nichos explorados por buffets de festas e eventos, com serviços delivery. São exemplos desse crescimento as franquias Escape 60 e Viva Eventos.

Em segundo lugar e também em ritmo de recuperação destacou-se Hotelaria e Turismo. O segmento teve faturamento 12,3% maior no período pesquisado. Entre os principais motivos, o resultado positivo se deve ao reaquecimento do turismo no mercado interno, principalmente no 4º trimestre do ano, e o uso intensivo de canais digitais. As redes CVC Brasil, HOTEL 10 e TAM Viagens refletem esse crescimento.

Serviços e Outros negócios ficou na terceira posição, com variação positiva de 8,7%. O aumento da demanda por serviços no mercado pet, B2B (de empresa para empresa) e de back office, incluindo logística, justificam esse crescimento. As marcas Flash Courier, Petland e Roval Pet – Manipulação Veterinária demonstram o bom resultado.

Seguindo de perto, Casa e Construção teve o quarto melhor desempenho em termos de faturamento, com alta de 8,6% no período. O segmento também prossegue em recuperação, com a retomada do setor de construção civil, especialmente pequenas reformas, tendo como exemplo as redes Astral Saúde Ambiental, Casa do Construtor e Portobello Shop.

Comunicação, Informática e Eletrônicos vem em quinto lugar, com receita 7,5% maior no período pesquisado. O reaquecimento do consumo em datas comemorativas, como o Natal, e a própria Black Friday, impulsionado pela retomada das vendas de produtos eletrônicos e a maior procura por serviços de reparos são fatores que contribuíram para esse crescimento. As redes Arquivar – Gestão de documentos, Gigatron e Varejonline exemplificam.

Veja também: