Os sinais de recuperação da economia surtem efeito positivo sobre as expectativas dos empresários. Eso da FecomercioSP aponta que, em outubro, o Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (IEEC) teve alta de 1,1% e atingiu 150,8 pontos, maior pontuação registrada desde dezembro de 2013.

Segundo a entidade, o indicador que mede as expectativas do empresário em relação ao futuro também atingiu a maior pontuação dos últimos quatro anos. No comparativo anual, tanto as pequenas como as grandes empresas registraram crescimento na confiança, de 16% e 15,3%, respectivamente.

É nesse clima positivo que os empreendedores estão traçando planos para o próximo ano. CEO e sócio-fundador da Enviou – startup voltada à operação de e-commerce, que oferece soluções de e-mail marketing para a recuperação de carrinhos abandonados nas lojas virtuais –, Felipe Rodrigues diz que até o momento, a empresa atende 26 mil lojas e planeja expansão para a América Latina, a partir do próximo ano. “Estamos iniciando a integração do nosso sistema com plataformas da América Latina. Já estamos integrados com o Mercado Livre da Argentina, México e Colômbia. Há uma semana, começamos a atender 40 lojas instaladas nesses países”, conta.

Além da expansão, em 2018 a Enviou também vai investir cerca de R$ 200 mil no redesenho da ferramenta. “Queremos facilitar a utilização do produto, proporcionando aos nossos clientes uma melhor experiência”, afirma Rodrigues. A ampliação da equipe também faz parte do planejamento. “Vamos contratar três vendedores experientes, porque queremos conquistar clientes maiores, e mais três pessoas para a área de atendimento.”

O empresário conta que a crise foi positiva para o negócio, porque muitas pessoas procuraram uma forma alternativa de ganhar dinheiro e montaram loja virtual. “Para nós foi ótimo, porque nosso serviço ajuda a vender mais. Enviamos e-mail marketing para clientes que deixam carrinhos abandonados nas lojas online, para que eles voltem ao site e concluam a compra.”
Rodrigues conta que, por dia, são criadas 1,5 mil lojas online no Brasil. “Fizemos essa estatística com base nos dados das 14 empresas que oferecem plataforma para e-commerce e são nossas parceiras.”

No mercado há dois anos, a Enviou faturou R$ 350 mil no primeiro ano de atividade. Em 2017, deve chegar a R$ 900 mil e no próximo ano prevê faturamento de R$ 2,5 milhões. O clima de otimismo é estimulante para os negócios, porém o sócio-diretor da Prosphera Educação Corporativa, Haroldo Eiji Matsumoto, afirma que ter cautela nesse momento é a alternativa mais adequada.
“É preciso ter cuidado na hora de definir como serão alocados os recursos e esforços da empresa. Por outro lado, a crise também trouxe à tona a ineficiência de alguns negócios e, por esse motivo, há espaço para que empresas bem estruturadas possam avançar e conquistar novos clientes.”

Segundo ele, o planejamento exige dedicação, esforço e disciplina. “O empreendedor que conseguir implantar a cultura do planejamento irá colher frutos em longo prazo e se blindar das intempéries do mercado. Um bom planejamento dá ao empresário o controle sobre os rumos do negócio”, ressalta. Matsumoto diz que muitos empreendedores acreditam que fazer planejamento é importante apenas para grandes empresas, o que não é verdade. “O planejamento é uma ótima estratégia para os pequenos negócios, por terem menos recursos e, muitas vezes, poucas reservas, ou seja, não podem errar na gestão empresarial.”

Falta de reserva não é problema para o sócio-fundador da Betalabs – especializada em software de gestão para o comércio eletrônico –, Luan Gabellini, que projeta crescer 70% em 2018. “Utilizamos o período mais acentuado da crise para refazer a tecnologia e lançar um produto reformulado em 2018. No lugar de demitir, aproveitamos que tínhamos uma boa equipe já formada e realocamos o pessoal para redesenhar a ferramenta”, conta.

Fonte: Estadão.

Compartilhe:

Veja também: