Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE), calculado pela FGV Ibre, subiu 0,9% em junho. A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou positiva, em 1,1%

Termômetro da confiança na atividade econômica, o Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE), calculado pela FGV Ibre e The Conference Board (TBC), subiu 0,9% em junho comparativamente a maio para 117 pontos.

Com esse movimento, o indicador recuperou perda do mês passado. A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou positiva, em 1,1%.

De acordo com a FGV Ibre e a Conference Board, das oito séries componentes, sete contribuíram positivamente para a evolução do índice no mês, com destaque para o Índice de Expectativas do setor de Serviços, que avançou 3,3%.

O Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mensura as condições econômicas atuais, caiu 0,3%, para 102,7 pontos, no mesmo período. A variação semestral do ICCE foi de 0,1%.

“O resultado negativo do ICCE em junho retrata a atual lentidão na atividade econômica”, segundo o economista e professor da FGV Ibre, Paulo Picchetti do FGV Ibre.

“No entanto, a perspectiva da aprovação das reformas necessárias deve dar impulso adicional à economia brasileira através do canal das expectativas, como demonstrado pela recuperação do IACE”, diz Picchetti.

Veja também: