fbpx
Menu fechado

ACISA Podcast – Inovação e suas características no mundo empresarial

Inovação e suas características no mundo empresarial

No atual cenário global, no qual ocorrem diversas transformações sociais e econômicas provocadas pela pandemia de Covid-19, inúmeros segmentos são prejudicados, como o turismo e aviação, e outros, no entanto, são beneficiados, como é o caso do e-commerce e itens de higiene pessoal.

Ouça também em:

Descrição do áudio

Inovação e suas características no mundo empresarial

No atual cenário global, no qual ocorrem diversas transformações sociais e econômicas provocadas pela pandemia de Covid-19, inúmeros segmentos são prejudicados, como o turismo e aviação, e outros, no entanto, são beneficiados, como é o caso do e-commerce e itens de higiene pessoal.

Desta forma, existe a necessidade de diversas empresas se reinventarem para conseguirem se adequar ao novo mercado. Para tal processo, a inovação é extremamente necessária.

Para muitos, ela vem do ato de fazer diferente, criar algo novo a partir de uma ideia construída em um contexto que foi exigido para sobreviver. De fato, é uma das características que regem este ato. Porém, para obter sucesso, alguns princípios de inovação devem ser observados:

1 – Design organizacional

Este primeiro princípio refere-se ao modo, como as relações organizacionais são estabelecidas e como o modelo hierárquico da empresa está organizado atualmente.

Devemos lembrar, que a inovação não se trata somente pela forma como os ambientes de trabalho estão decorados e organizados. Mas, também por estarem incluídos neste modelo outros processos, pessoas, lideranças e estruturas.

2 – Gestão ágil

Neste princípio, é importante esclarecer que gestão ágil não significa necessariamente realizar tarefas de maneira mais rápida. O conceito é direcionado ao aprendizado de metodologias ágeis — como Scrum ( framework de gerenciamento de projetos) e Canvas (ferramenta de gerenciamento estratégico), que possibilitam o aprendizado ágil a partir de erros e acertos.

Outro ponto é a eliminação de atividades que não agregam valor. Ou seja, atividades que não se têm propósito claro e que não impactam o core business de uma empresa.

Além disso, recursos devem ser poupados apenas para atividades essenciais e que também vão gerar valor. A redução de burocracia é relevante para a agilidade e contribuição de processos entre departamentos.

3 – Trabalho com parceiros

Este princípio refere-se à máxima de que, para aumentar a velocidade de processos e diminuir custos, é preciso que recursos externos sejam captados. Para que haja este processo, algumas características são notáveis:

  • Conexão com o ecossistema: Saber por onde procurar por estas empresas de forma que sejam observados o mercado e ecossistema da região. Assim, a política interna do futuro parceiro deve estar alinhada com os valores de sua empresa;
  • PCO’s: As pesquisas de clima organizacional (PCO) são muito utilizadas para medir o nível de satisfação de funcionários e também para que os empresários consigam ter diagnósticos da empresa em questões culturais. Aplicá-las para validar com a própria equipe o que a  empresa está oferecendo e recebendo das parcerias é uma boa alternativa para direcionar os esforços por novas parcerias.
  • Alinhamento de expectativas: É importante definir os objetivos, intenções e deixar claro qual o tipo de parceria que existirá com cada empresa;

4 – Cliente no centro

Este conceito preza pela noção de possuir grande empatia pelo cliente, colocando-se no lugar dele, tomando seus problemas e entendendo suas principais dores. Ao longo do processo de busca por inovações, a maioria dos negócios que deu errado refere-se àqueles cujas inovações tiveram seu início a partir de ideias e não de problemas.

Dessa forma, é preciso desenvolver uma cultura de observação das necessidades de consumidores para que, assim, possa-se criar o produto mais assertivo e que consiga atender melhor ao mercado.

A empresa que coloca seu cliente no centro das atenções:

  • Compreende o problema que o produto resolverá  — Job to be done— ou seja, entende a descrição do produto e o que vai mudar na vida do cliente;
  • Realiza, com frequência, conversas com seus clientes, principalmente no pós-venda;
  • Toma decisões a partir da perspectiva do cliente e colocando-se no lugar deste para iniciar um novo projeto ou produto;
  • Utiliza dados para medir interações e satisfação;
  • Quebra barreiras hierárquicas para melhorar a experiência do cliente;

Caso você não tenha contato direto com o cliente final, uma boa sugestão é criar canais e métodos para se relacionar e aprender.

Outros fatores relevantes para a manutenção da inovação

  • Mapeamento e acompanhamento de estratégias de inovação, já que o peso destas pode mudar conforme o contexto;
  • Orçamento destinado diretamente para inovação, pois é preciso que haja a garantia da liberação de recursos para as novas etapas e avanço desses projetos.
  • Governança, traduzida por um comitê de inovação, responsável pela garantia de que a inovação aconteça. Assim, cria-se um espaço viável para a permanência de cultura de inovação dentro da empresa.

Conclusão

Devemos ter em mente que a inovação é um processo de mudança que pode ser utilizada em diversos setores, proporcionando múltiplos benefícios, não apenas em momentos de crise.

Vale ressaltar ainda, que devemos utilizar esse processo da melhor forma possível. Observando e colocando em prática certos princípios e atitudes garantirão mais chances de sucesso, manutenção e desenvolvimento da inovação.